Primeira, Segunda e terceira Carta de João

A autoria da epístola é atribuída, pela tradição cristã, ao apóstolo João.

O peso de evidências externas pode favorecer a autoria "joanina", pois existem possíveis alusões a I João nos escritos de Clemente de Roma (em I Clemente), Inácio de Antioquia e Pseudo-Clemente (na sua II Clemente). Outras, prováveis alusões, podem ser encontradas no DidaquêEpístola de BarnabéPastor de HermasJustino Mártir, a Epístola a Diogneto, a Epístola de Policarpo e nos escritos de Pápias preservados em Ireneu. Referências mais obscuras a 1 João em IreneuTertulianoClemente de AlexandriaOrígenes, Dionisio e no Cânone Muratori

A Segunda Epístola de João se preocupa com a relação da verdade cristã com a hospitalidade estendida àqueles mestres que viajam de igreja para igreja. Os falsos mestres, provavelmente do mesmo grupo que é tratado na Primeira Epístola de João, estavam confundindo a comunhão dos crentes. Portanto, João deu instruções sobre quais mestres itinerantes acolher e quais recusar. Os verdadeiros Cristãos, que podiam ser reconhecidos pela ortodoxia de sua mensagem (v.10), são dignos de ajuda; mas os mestres heréticos devem ser rejeitados. De outra forma, alguém poderia, sem querer, estar contribuindo para a propagação da heresia, e não da verdade.

Tanto na Segunda Epístola de João quanto na Terceira Epístola de João, o escritor se autodenomina “o ancião”, sugerindo que era mais velho do que os outros cristãos e que seu conhecimento pessoal da fé foi muito além do deles. A evidência mais forte é que todas as três epístolas de João foram escritas por um mesmo autor.